Biografia

Deputado Marcelo Squassoni discursando

Marcelo Squassoni Trabalho que traz resultado

Casado, pai de um filho, Marcelo Squassoni tem 50 anos e assumiu o mandato de Deputado Federal em março 2015. Formado e Direito, é empresário do ramo de Serviços e Construção Civil, sendo sócio-diretor de empresa do setor de energia, fabricante de ferragens e equipamentos para linhas de transmissão de energia até 2009. Começou cedo na vida pública, elegendo-se Vereador em Guarujá em 1992, aos 25 anos, concluindo o mandato em 1996. Integrou a equipe do então Senador Romeu Tuma e, no final da década de 1990, assumiu o cargo de diretor jurídico do então Serviço de Patrimônio da União – hoje Secretaria de Patrimônio da União (SPU).

Voltou a disputar cargos eletivos e, em 2010, tornou-se novamente Vereador em Guarujá. Em 2013, assumiu a Presidência da Câmara Municipal, com uma gestão marcada pela independência do Legislativo em relação ao Executivo. Entre seus projetos, destacam-se o que originou a lei que acabou com a isenção de IPTU e ISS a clubes milionários da Cidade e promoveu o enxugamento de diversos contratos da Câmara.

Deputado Federal

Eleito Deputado Federal em 2014, é autor de sete projetos de lei e tem destacada atuação no Congresso Nacional. Vice-líder do Governo entre 2016 e 2017, foi vice-presidente da Comissão de Viação e Transportes da Câmara, titular da Comissão de Turismo, da Subcomissão de Portos e Vias Navegáveis e integrou também a Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional. A ampla experiência no setor foi determinante para o parlamentar ocupar assento na Comissão de Minas e Energia em 2017 e, em abril de 2018, assumir a Presidência do colegiado.

Marcelo Squassoni também preside, na Câmara, o Grupo Parlamentar de Amizade Brasil-Canadá, destinado a estreitar as relações comerciais entre os dois países. No Congresso, coordena a Frente Parlamentar Mista de Combate ao Roubo de Cargas, que reúne deputados e senadores.

Squassoni ainda integrou os grupos de trabalho mais relevantes da Câmara destinados à apuração de denúncias de corrupção e malversação dos recursos públicos nos últimos anos, tais como as Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento) e da Petrobras, a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da JBS e a Comissão Especial que analisou o pedido de impeachment da então presidente Dilma Rousseff, que deixou o cargo em definitivo em agosto de 2016.

Deputado Marcelo Squassoni